quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Ternura!...

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

Vinícius de Moraes

3 comentários:

Isa disse...

Senti-me a entrar na sua casa,querida Sam.
Lindo o seu blog,de roupagens novas.
Vinicius é sp VINICIUS!
Beijo.
isa.

Sonia Schmorantz disse...

Ótima escolha, a imagem é muito terna também!
beijo

Sandra disse...

que lindo!!!
Vincius de Moraes..fantástico.
Sandra


" NENHUM CAMINHO É LONGO DEMAIS QUANDO UM AMIGO NOS ACOMPANHA".

"ENQUANTO HOUVER AMIZADE COMO VOCÊ NO MUNDO, HAVERÁ PESSOAS DE SORTE COMO EU, SENDO PRIVILIGIADA PELA SUA AMIZADE".

OBRIGADA PELO SEU CARINHO, PELA SUA AMIZADE, PELA SUA CONFIANÇA. COM MUITO CARINHO..SANDRA

Postar um comentário